sábado, 18 de março de 2017

A VERDADE SOBRE O SHABAT

O Sábado (Shabat), por ser uma questão doutrinária e institucional, o mesmo ainda persiste em gerar dúvidas e séria resistência por parte dos seus adeptos que tem protagonizado o sábado (Shabat) como um mandamento ainda a ser cumprido, tal pragmatismo religioso, recebeu uma interpretação meramente literal e exclusivista, “O Sábado”, portanto é um dia comum como qualquer outro dia da semana, e sua referência em Gênesis como o dia de descanso aponta para o futuro, sendo na verdade uma profecia e uma referência simbólica da Salvação em Cristo Jesus.

Porque em certo lugar... disse assim do dia sétimo: E repousou Deus de todas   as suas obras no sétimo dia. E outra vez neste lugar: Não entrarão no meu repouso. Visto, pois, que resta que alguns entrem nele, e que aqueles a quem primeiro foram pregadas as boas novas não entraram por causa da desobediência. Hebreus 4:4-6. Esse lugar de repouso é literalmente descrito ao longo da bíblia por vários escritores.

O céu é o meu trono e a terra o estrado dos meus pés. Que casa me edificareis? Diz o Senhor, ou qual é o lugar do meu repouso? Atos 7:49. Aqui Deus deixa claro que o sábado não é o lugar ou o dia do seu repouso.

O texto em Gênesis fala que Deus descansou de suas obras, isto é, acabou no sétimo dia, e assim muitos ficam confusos ao interpretar literalmente o que na verdade é uma profecia para o futuro, pois a lei não estava em evidencia nos dias da criação da terra. O descansar ou repousar tornaria Deus um ser limitado e portando não poderia ser considerado como um “Deus”, e sua palavra se perderia no tempo e não teria mais crédito, veja o que o profeta Elias fala do “deus” dos homens. E sucedeu que ao meio-dia Elias zombava deles e dizia: Clamai em altas vozes, porque ele é um deus; pode ser que esteja falando, ou que tenha alguma coisa que fazer, ou que intente alguma viagem; talvez esteja dormindo, e despertará.1 Reis 18:27. Aqui o profeta descreve o “deus” dos judeus, dos incrédulos, do mundo, como um que dorme e descansa, como um deus surdo, esse é o “deus do sábado”.

Veja o que o profeta Isaías falou:

“Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento”. Isaías 40.28. Davi descreve em poucas palavras um dos atributos de Deus que é a Vigilância. “Eis que não tosquenejará nem dormirá o guarda de Israel”. Salmos 121.4.

A interpretação literal do quarto mandamento e sua fundamentação como concerto ou mandamento eterno, tem impossibilitado muitos a não compreender o sentido Espiritual dos textos bíblicos, pois vemos claramente que o sábado como mandamento teve um tempo pré-determinado até a ressurreição de Cristo e o mesmo vem sendo profanado nos dias atuais pelos adeptos das religiões que o considera como uma lei que deve ser cumprida, e assim invalidando o sacrifício de Jesus. “Mas digo isto: Que tendo sido a aliança anteriormente confirmada por Deus em Cristo, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não a invalida, de forma a abolir a promessa”. Gálatas 3:17.

Vemos portanto que o Sábado não é um dia qualquer como os demais dias da semana como descrito por Deus em Gênesis e sim de um lugar predeterminado por Deus para descanso dos seus escolhidos. “A Nova Jerusalém” veja os versículos. “E eu, João, vi a Santa Cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido”. Apocalipse 21:2. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vos teria dito. Vou preparar-vos lugar. João 14.2.

Uma pergunta que não pode se calar. Como Deus descansaria no sábado, é possível Deus descansar em um dia de 24 horas, claro que não. Esse 4º mandamento está referindo-se em especial a salvação eterna “Porque, se Josué lhes houvesse dado repouso, não falaria depois disso de outro dia. Hebreus 4:8.

Se observarmos com a devida atenção, o sábado de descanso para os judeus era lei, e esta lei era exclusiva para os mesmos e os gentios eram proibidos de realizar os rituais judaicos, então se esta lei ainda estiver em evidência, estamos todos perdidos e nossa fé é em vão. “Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, temos também crido em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei; porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada". Gálatas 2.16. O apostolo continua dizendo... “Porque eu, pela lei, estou morto para a lei, para viver para Deus”. Gálatas 2.19. Estou morto para a lei, portanto, guardar o sábado como lei não é mais uma obrigação. “Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las”. Gálatas 3.10.

As instituições atuais justificam a guarda do sábado como um mandamento e concerto eterno, ignorando que a lei tornou-se maldita, uma vez que a condenação da mesma era carnal ou melhor o indivíduo era castigado, torturado, sendo até morto, isto é, o castigo era físico, mas a graça mata o indivíduo espiritualmente, como ocorreu com Adão e Eva, após desobedecerem a Deus eles não morreram fisicamente e sim espiritualmente. “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; Gálatas 3:13.

Então a terra folgará nos seus sábados, todos os dias da sua assolação, e vós estareis na terra dos vossos inimigos; então a terra descansará, e folgará nos seus sábados. Levítico 26:34. Vemos mais uma vez que o “Descanso ou Repouso” de Deus, não se refere a um dia comum como o sábado de 24 horas como muitos afirmam, em sim de um “LUGAR ESPECIAL E PREPARADO POR DEUS”.

 Shabat,Sábado,maldição,lei,profeciaPorque aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou de suas obras, como Deus das suas. Hebreus 4:10. Isto é, Jesus, após ter sido crucificado e morto, o mesmo foi recebido no céu e está à direita de Deus o Pai. Marcos 16.19, I Pedro 3.22. Assim jurei na minha ira. Que não entrarão no meu repouso. Hebreus 3:11. Mas uma vez a referência “Repouso” indicando um lugar, e não do sábado como um dos dias da semana.

Shabat,Sábado,maldição,lei,profeciaProcuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência. Hebreus 4:11. Aqui a expressão “procura, pois entrar naquele repouso” aponta para uma atitude do ser humano em aceitar o sacrifício de Jesus e se preparar para estar com ele”, pois é lá o lugar de descanso.  “Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo”, Filipenses 3:20, O Apostolo Paulo desejou a morte, isto é, estar onde cristo estava, em outras palavras descansar de suas obras. “Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor. Filipenses 1.23.

 shabat,maldição,lei,repouso,descanso,profecia,promessaPorque nós, os que temos crido, entramos no repouso, tal como disse: Assim jurei na minha ira.  Que não entrarão no meu repouso; embora as suas obras estivessem acabadas desde a fundação do mundo. Hebreus 4:3. Desde a fundação do mundo aponta para o 4º mandamento dado a Moisés, o qual Deus retrata simbolicamente a figura de Jesus. E para entrar nesse repouso somente através das  obras por meio da fé em Jesus. E a quem jurou que não entrariam no seu repouso, senão aos que foram desobedientes? Hebreus 3:18. O juramento é uma promessa para o futuro.

E outra vez neste lugar: Não entrarão no meu repouso. Hebreus 4:5. Temamos, pois, que, porventura, deixada a promessa de entrar no seu repouso, pareça que algum de vós fica para trás. Hebreus 4:1. Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus. Hebreus 4:9. Visto, pois, que resta que alguns entrem nele, e que aqueles a quem primeiro foram pregadas as boas novas não entraram por causa da desobediência, Hebreus 4:6. Passagens explícitas e objetivas, onde vemos que o repouso ou descanso bíblico era uma promessa (profecia) para o povo de Deus.

Os dois Sábados: O primeiro Sábado foi estabelecido por Deus antes da Lei (Gênesis 2.2,3); O segundo estabelecido por Deus ao povo através de Moisés como uma lei.

shabat,sábado,lei,maldição,repouso,descanso,profeciaO Sábado como mandamento ou o sétimo dia era figurativo e adornado por símbolos e rituais; O Espiritual foi estabelecido por Deus no final da criação do mundo e a lei não estava em evidência; O mandamento que era o literal, foi estabelecido por Deus, que espiritualmente o mesmo envolve toda uma simbologia com seus rituais e alegorias, é só observar que as referências ao sábado da lei são divergentes, e não segue uma  ordem ou cronologia exata, veja: 
a). Uma vez no mês; Sábado de descanso vos será; então afligireis as vossas almas; aos nove do mês à tarde, de uma tarde a outra tarde, celebrareis o vosso sábado. Levítico 23:32.  
b) De sete anos: Porém ao sétimo ano haverá sábado de descanso para a terra, um sábado ao Senhor; não semearás o teu campo nem podarás a tua vinha. Levítico 25:4;
c) Sete dias e Sete semanas; Depois para vós contareis desde o dia seguinte ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida; sete semanas inteiras serão. Levítico 23:15.
d) No Sétimo mês; No sétimo mês, no dia quinze do mês, na festa, fará o mesmo por sete dias, tanto o sacrifício pelo pecado, como o holocausto, e como a oferta de alimentos, e como o azeite. Ezequiel 45:25. Levítico. 23.24.

A ligação entre os dois sábados requer um discernimento espiritual apurado dos textos bíblicos, o sábado era e ainda é, uma forma de santuário terrestre. Quando Deus santificou o dia sétimo, o mesmo estava de antemão apontando para o cumprimento do sacrifício expiatório de Jesus e sua ressurreição; Porque aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou de suas obras, como Deus das suas. Hebreus 4:10. Aqui vemos o repouso de Cristo e o repouso de Deus como um só, Jesus consagrou sua obra expiatória na cruz.

O Sábado também era considerado um dia santo para os judeus os quais deveriam reverenciá-lo e santificá-lo, ou melhor era um dia separado exclusivamente para santificação do povo. "  é o teu santo sábado lhes fizeste conhecer; e preceitos estatutos e leis mandastes pelo ministério de Moisés, teu servo". Neemias 9.14. " Lembra-te do dia de Sábado para o santificar". Êxodo 20.8. " Nem tirareis de casa no dia de sábado as vossas cargas, nem façais obra alguma; antes santificai o dia de sábado, como eu vos ordenei a vossos pais". Jeremias. 17 22.

Mesmo que o sábado seja considerado um dia de repouso para os homens nos dias atuais, como era no antigo testamento, o mesmo não pode ser confundido com o descanso ou repouso descrito em Gênesis, pois ali “ O Sábado” é simbólico e espiritual e os judeus os quais estão presos a seus costumes e tradições não conseguem ver a espiritualidade nos textos os quais apontam para uma salvação em Cristo Jesus, o Messias prometido. E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição. Marcos 7:9.

E por isso o apostolo Paulo aconselha: Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; Colossenses 2:8

Os judeus, fariseus, saduceus com medo de perderem o status religioso e político os quais estavam sob seu domínio, faziam oposição a cristo e a seus seguidores e por isso perseguiram até mata-lo. Porque nós lhe ouvimos dizer que esse Jesus Nazareno há de destruir este lugar e mudar os costumes que Moisés nos deu. Atos 6:14, e assim fizeram com o apostolo Paulo: E, quando já era dia, alguns dos judeus fizeram uma conspiração, e juraram, dizendo que não comeriam nem beberiam enquanto não matassem a Paulo. Atos 23:12.

Shabat,sábado,lei,maldição,repouso,descanso,profecia

Shabat,Sábado,lei,maldição,repouso,descanso,profeciaEntão alguns dos fariseus diziam: Este homem não é de Deus, pois não guarda o sábado. Diziam outros: Como pode um homem pecador fazer tais sinais? E havia dissensão entre eles. João 9.16. “Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal, salvar a vida, ou matar? ”  Lucas 6:9. E Jesus lhes respondeu: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. João 5:17. E, tomando a palavra o príncipe da sinagoga, indignado porque Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que é mister trabalhar; nestes, pois, vinde para serdes curados, e não no dia de sábado. Lucas 13:14. Vemos aqui que o questionamento em si não era os milagres, as curas que eram feitas por Jesus e sim o ato do mesmo estar realizando o mesmo no dia do descanso sabático dos judeus.

Jesus mais uma vez deixa claro que veio para cumprir a lei ou mandamentos que nenhum judeu ou gentio pode cumprir. Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir. Mateus 5:17. Se até aquele momento nenhum judeu pode cumprir os mandamentos, como poderão cumprir agora se a lei se tornou espiritual, pois os mesmos continuam na desobediência acreditando em Maomé, João Batista e não acreditam no verdadeiro Messias “Jesus Cristo”, na verdade as instituições Sabatistas, são na verdade Instituições fanáticas e Idólatras pois tem o sábado como dia santo, e com isso desprezam e invalidam o sacrifício de Jesus.

E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado. Marcos 2:27.  Isto é, o sábado depende do homem e não o homem do sábado, aqui o homem tem o sábado sob seu controle. E ele lhes disse: Podeis vós fazer jejuar os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles? Lucas 5:34. Porque o Filho do homem até do sábado é Senhor. Mateus 12:8. E dizia-lhes: O Filho do homem é Senhor até do sábado. Lucas 6:5. Se Jesus é o Senhor do sábado, Ele é meu Senhor e assim como ele trabalhou no sábado e cumpriu a lei, eu também cumpro a lei trabalhando todos os dias, inclusive no sábado.

 Shabat,Sábado,lei,maldição,repouso,descanso,profeciaJesus foi acusado de profanar o sábado e de não cumprir a lei e baseado no quarto mandamento os judeus acusaram Jesus. E a prova que este sábado era simbólico ou espiritual o qual apontava para a obra redentora de Jesus na Cruz, foi que o mesmo trabalhava no sábado, pois foi exatamente o que os judeus falaram e isso serviu de base para jesus ser condenado. “E, tomando a palavra o príncipe da sinagoga, indignado porque Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que é mister trabalhar; nestes, pois, vinde para serdes curados, e não no dia de sábado. Respondeu-lhe, porém, o Senhor, e disse: Hipócrita, no sábado não desprende da manjedoura cada um de vós o seu boi, ou jumento, e não o leva a beber? ”. Lucas 13:14,15. Os Judeus trabalhavam no sábado normalmente, mas por demagogia religiosa, os mesmos ao ver jesus trabalhando, foram movidos de uma falsidade religiosa, e assim usaram a lei do sábado como um argumento contra Jesus. 

Foi então que Jesus citou a violação do quarto mandamento pelos judeus. 

“Ou não tendes lido na lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado, e ficam sem culpa? Mateus 12:5. “Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; não fazem diferença entre o santo e o profano, nem discernem o impuro do puro; e de meus sábados escondem os seus olhos, e assim sou profanado no meio deles. Ezequiel 22:26. Os seus profetas são levianos, homens aleivosos; os seus sacerdotes profanaram o santuário, e fizeram violência à lei”. Sofonias 3:4.:?.

Uma prova infalível de que a lei que era literal para os judeus no A.T., era na verdade simbólica e apontava para o sacrifício de Jesus, pois o mesmo apontava para um ritual a ser cumprido pelos judeus. “De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados”. Gálatas 3:24

Conclusão.

Portanto não há base bíblica para ter o sábado como um dia específico para se descansar, ou ficar sem trabalhar como se fosse um mandamento ou dia considerado por muitos como “Santo”. O Sábado descrito nos dez mandamentos refere espiritualmente a “Nova Jerusalém” como descreve o apostolo. O Sábado é a promessa de Deus aos seus filhos, o qual figura como um concerto perpetuo ou eterno o qual se cumprirá em um dia determinado por Deus.

Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça. Por isso, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz. 2 Pedro 3:13,14

Porque até agora não entrastes no descanso e na herança que vos dá o Senhor vosso Deus. Deuteronômio 12:9. Porque disse Davi: O Senhor Deus de Israel deu repouso ao seu povo, e habitará em Jerusalém para sempre.1 Crônicas 23:25. Levanta-te, pois, agora, Senhor Deus, para o teu repouso, tu e a arca da tua fortaleza; os teus sacerdotes, ó Senhor Deus, sejam vestidos de salvação, e os teus santos se alegrem do bem. 2 Crônicas 6:41.

As instituições atuais justificam a guarda do sábado como um mandamento e concerto eterno, ignorando que a lei tornou-se maldita por que não foi cumprida pelos judeus e a mesma tem como sentença a morte e assim essa lei foi pregada na cruz sendo cumprida em Cristo Jesus. E assim nós que estávamos retidos por essa “Maldição”, fomo libertados por cristo para servirmos a Ele em liberdade. “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; Gálatas 3:13

Shabat.

No hebraico שבת, descanso/inatividade, no judaísmo como o dia sétimo de Gênesis, após o sexto dia da criação, sendo observado pelos judeus a partir do pôr do sol de sexta feira até o pôr do sol do sábado. A observância do sábado por outras religiões de outros países orientais e ocidentais cai no contraditório pois de acordo com o A.T. tal mandamento é uma lei exclusivista, a qual mantém os judeus presos a lei do A.T., “O sacrifício dos ímpios já é abominação; quanto mais oferecendo-o com má intenção. ” Provérbios 21:27, inclusive aos demais seguidores e religiões, os quais estão fora do plano de salvação em Cristo Jesus, estando os mesmo sob a maldição descrita na Bíblia e assim longe da Salvação.

“E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé”. Gálatas 3.11


Autoria.
Pr. Adilau Vieira da Costa.
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA UNIVERSAL

Referencias Bibliografia:
Fonte Pesquisada: https://www.bibliaonline.com.br.
Fonte Pesquisada: http://bibliaportugues.com/kja/

POR QUÊ SATANÁS SERÁ SOLTO APÓS O MILÊNIO

Após os mil  anos de paz,  justiça e  prosperidade, a  humanidade  volta novamente a ser provada, satanás será solto voltando as sua atividades malignas. Vejamos porque ele será solto:

a)- Para provar os que nasceram durante o milênio e revelar que o coração do homem não convertido permanece inalterado, mesmo sob o reino pessoal de Jesus Cristo, sendo que hoje em dia os homens culpam o diabo por suas maldades, infortúnios, e transgressões e queda. Vemos que durante o milênio ainda houve oposição contra Deus provando ai que não é o diabo o responsável por tais atos praticados pelo homem e nem o ambiente, mas sim o coração.

b)- Demonstrar pela última vez quão pecaminosa é a natureza do homem e que o mesmo por si só, jamais se salvará mesmo sob as melhores condições. O homem falhou sob as melhores condições, falhou sob a Lei e a Graça e sob as condições gloriosa do Milênio. "Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Vemos que o mal é residente, imanente em nós. Somos pecadores por natureza". Tiago 1.14

c)-  Provar que satanás é totalmente incorrigível, mesmo passando mil anos preso. E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão. E sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha. Apocalipse. 20: 7,8

E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou. E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre. Apocalipse. 20: 9,10.

Este conflito está descrito em Apocalipse. 20.7-10, onde satanás engana e subverte as nações contra Deus que do céu derramará fogo consumindo a todos. Será uma revolta mundial, que será imediatamente neutralizada e os rebeldes exterminados. Satanás será lançado no seu lugar definitivo: o lago de fogo e enxofre.

Será a última rebelião que Satanás instigara contra Deus.

Pr. Adilau Vieira da Costa

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA UNIVERSAL

REFERENCIAS:

Fonte Pesquisada: https://www.bibliaonline.com.br/ acf
Fonte Pesquisada: http://bibliaportugues.com/
Fonte Pesquisa da Imagem: 
https://www.google.com.br/imgres?imgurl=http%3A%2F%2F4.bp.blogspot.com%2F-kKkR71T9c-E%2FTygMjr4ugRI%2FAAAAAAAAAdc%2Fy3kPcOELLyk%2Fs1600%2Fdemonios.jpg&imgrefurl=http%3A%2F%2Faguasdedescanso.blogspot.com%2F2012%2F01%2Fnome-dos-demonios-e-como-eles-atuam nas.html&docid=tL80_2k9Hn72AM&tbnid=7RpiBz_70Qxg6M%3A&vet=10ahUKEwjXw87_oODSAhUIQpAKHbNaBN04ZBAzCAsoCTAJ..i&w=450&h=382&hl=pt-BR&bih=613&biw=1366&q=demonios&ved=0ahUKEwjXw87_oODSAhUIQpAKHbNaBN04ZBAzCAsoCTAJ&iact=mrc&uact=8.

Fonte Pesquisada da Imagem: 
htps://www.google.com.br/imgres imgurl=https%3A%2F%2Fefesios612.files.wordpress.com%2F2015%2F10%2Fnukewar.jpg%3Fw%3D1000%26h%3D750%26crop%3D1&imgrefurl=https%3A%2F%2Fefesios612.com%2F2015%2F10%2F13%2Fgog-magog-deus-move-as-pecas-escatologicas%2F&docid=bLI6c7K9nNh5pM&tbnid=Ytxt7kYj9hi-CM%3A&vet=10ahUKEwjQi-jkouDSAhUFi5AKHQ1LBxA4rAIQMwglKCMwIw..i&w=1000&h=750&hl=pt-BR&bih=613&biw=1366&q=gogue%20magogue&ved=0ahUKEwjQi-jkouDSAhUFi5AKHQ1LBxA4rAIQMwglKCMwIw&iact=mrc&uact=8.

O PROPÓSITO DO MILÊNIO

Desde a queda do homem, a humanidade clama por paz e liberdade, e este clamor será atendido. O propósito do milênio será estabelecer justiça e paz na terra, eliminando assim toda a rebelião contra o Criador, fazendo valer todas as alianças registradas nas escrituras: tornando Israel cabeça de todas as nações, onde ocupará todas as terras que lhe foi concedida por Deus: e cumprir as profecias a respeito do Messias. Jerusalém será a sede do governo de Cristo e dela sairão as diretrizes religiosas e civis para todo o mundo, conforme registros em Isaías 2.2 e Miqueias 4.2.

O Milênio será a Sétima e última dispensação da parte de Deus concernente a humanidade, o Milênio será uma teocracia e todos os reinos do mundo estarão sob o domínio e Senhorio de Jesus Cristo (Zacarias 14.9). O Milênio será a “dispensação da plenitude dos tempos”segundo Efésios 1.10, significando que para esse tempo convergem todas as alianças e tempos mencionados na bíblia. Cumpri-se-a em sua íntegra o que o apostolo Paulo diz em (Filipenses 2:10) - Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, (Filipenses 2:11) - E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai. E em (Zacarias 14:9) - E o SENHOR será rei sobre toda a terra; naquele dia um será o SENHOR, e um será o seu nome.

Haverá dois grupos distintos de povos no Milênio:

1.) Os crentes glorificados, consistindo dos salvos do A.T; os do N.T (A Igreja) E os oriundos da Tribulação. Sendo que os salvos no arrebatamento, em estado glorificados, não estarão limitados à terra. Seus corpos ressurretos não serão limitados pelas coisas físicas como os mortais. Serão como os anjos, nossos corpos terão acesso a terra e ao céu. Após a ressurreição, jesus em seu estado glorificado, passou quarenta dias entre o povo, comeu, bebeu, esteve entre os discípulos foi tocado por tomé, andou com os discípulos em Emaús e depois desapareceu, saia e entrava de salas sem precisar abri-las.
2.) Os salvos naturais em estado físico normal vivendo na terra , a saber os Judeus salvos saídos da grande tribulação, gentios poupados no julgamento das nações e o povo nascido durante o próprio milênio.

Durante o Milênio alguns sacrifícios serão restaurados, serão como memoriais em relação ao que jesus efetuou, servindo de instrução as gerações futuras, assim como a santa ceia é um memorial para a igreja. Os Judeus possuirão toda a terra prometida, tendo seu território indo do mediterrâneo até o Eufrates (Gênesis 15.18; 17.8; Êxodo 23.31), o vasto território será divido em três faixas iguais e paralelas, uma para cada tribo de Israel sendo que a faixa central será do Príncipe (Ezequiel. 48). A maior parte deste território é um deserto, mas Deus fará fluir de sob o templo milenar um volumoso rio (Ezequiel.47. 1-12), juntamente com copiosas chuvas farão florescer este deserto (Isaías 35.1). A Igreja será glorificada, o conhecimento de Deus será universal, a piedade prevalecerá. A natureza humana será a mesma, mas devido a prisão de satanás, não haverá obstáculo espirituais, pois a incredulidade e a rebelião não será tolerada, a transgressão será corrigida imediatamente (Isaías 65.20b) ; Zacarias 14.17 ; Apocalipse 19.15),” Cetro de Ferro” esta expressão demonstra que haverá oposição a cristo, sendo portando necessária aplicação de disciplina.

A vida humana será prolongada, (Isaías 65.20,22 e Zacarias 8.4) devido ao alto índice de natalidade,(Isaías 65:20) - Não haverá mais nela criança de poucos dias, nem velho que não cumpra os seus dias; porque o menino morrerá de cem anos; porém o pecador de cem anos será amaldiçoado. não haverá paralíticos nem deformados, aleijados (Isaías 35.5,6).Haverá mudança no reino animal, acabando com a ferocidade dos animais, (Isaías 11.6-8; 65.25; Ezequiel 34.25). O solo será fértil, os desertos desaparecerão (Is. 30.25; Joel. 3.18). Haverá abundancia de viveres e fartura para todos (Jeremias 31.12;Is 30.23; Salmos. 72.16). Haverá alterações geológicas do relevo do solo. (Zacarias 2.10) no versículo 10, a tradução fiel é a Acf “ela (a terra) será exalçada”; ao passo que a versão atualizada registra “esta ( a terra) será exaltada”. Não se trata aí de a terra ser “exaltada”, mas “exalçada”, “elevada”. Isto é, a terra será elevada, tornando-se mais alta (Isaías 2.2; 11.15,16). Atos preliminares ocorrerão durante a grande tribulação como em (Apocalipse 6.14 e 16; 12,21), durante o milênio dificilmente saberá onde ficava determinado país.

A cidade de Jerusalém celeste descerá e pairando nas alturas, sobre a jerusalém terrestre ( Isaías 2.2 e Miqueias 4.1) A gloria e o resplendor da jerusalém celeste iluminará a terrestre e seu templo (Is 4.5; 24.23; Ezequiel 43.2-5). Ezequiel contemplou esta gloria, mas depois a viu voltando para o templo de jerusalém (Ezequiel 10.18). Essa manifestação será visível a partir do templo (Ezequiel 43.4). trata-se da gloria “Shekinah” (hebraico) que pairava sobre a arca entre os querubins da gloria, bem como sobre o tabernáculo, como coluna de fogo (Números 9.15,16). É a mesma nuvem que desceu sobre o monte da transfiguração e envolveu o Senhor Jesus e os que lá estavam (Mateus 17.5). O Plano redentor de Deus para com os homens findará com o Milênio.


Pr. Adilau Vieira da Costa
IGREJA  EVANGÉLICA ASSEMBLEIA UNIVERSAL

Referências:

Fonte consultada: https://www.bibliaonline.com.br/

Fonte consultada: http://bibliaportugues.com/
                                               
                                                                                                                  

A INVERSÃO DE VALORES E O JULGO DESIGUAL

A Bíblia nos alerta sobre o casamento fora dos padrões e parâmetros doutrinários estabelecidos na lei de Deus. Por julgo desigual entendemos uma desigualdade em todos os sentidos os quais vão surgindo com o passar dos dias e dos tempos, estas diferenças causará um desiquilíbrio na convivência do casal e os conflitos, as divergências certamente levaram a tragédias, gerando sofrimento e desiquilíbrio emocional. As afinidades espirituais servem como um ponto de equilíbrio dessas emoções e conflitos. Mas dificilmente escaparam da arrogância e da ignorância que faz parte da natureza humana. 

Quando um casal se une com os mesmos propósitos e objetivos, as chances de alcançarem o êxito no relacionamento será notório. Vemos muitos artigos fantasiosos pela internet com receitas prontas e promessa para um casamento sem conflitos e isso é hipocrisia, pois na história da humanidade não há registro de casamentos perfeitos, todos foram movidos por tragédias, e conflitos, rebeldia dos filhos e uma agressividade desigual, pais e filhos se enfrentando, irmãos contra irmãos, prostituição, drogas, assassinatos entre outras tragédias

O Julgo desigual foi registrado na bíblia onde vários exemplos foram citados; Abraão e Sara, Isaque e Rebeca,  (Gênesis 25.21), Jose e Maria,  Davi e Bateseba. (Salmos 32.3).

 “Ora, quando vós virdes a abominação do assolamento, que foi predita por Daniel o profeta, estar onde não deve estar (quem lê, entenda), então os que estiverem na Judeia fujam para os montes”. Marcos 13:14. Ao submeter-se a um julgo desigual o indivíduo deve estar preparado para os acontecimentos que cedo ou tarde surgirão, não há como escapar das consequências, tanto um lar cristão, como um lar não cristão, ambos serão alvos em potencial. O julgo desigual não está explicitamente ligado a religião e sim a natureza de forma individual, a religião é apenas uma forma de escape, mas sem sucesso.

“E o irmão entregará à morte o irmão, e o pai o filho; e os filhos se levantarão contra os pais, e os matarão”. Mateus 10:21. “E o irmão entregará à morte o irmão, e o pai ao filho; e levantar-se-ão os filhos contra os pais, e os farão morrer”. Marcos 13:12. As leis que deveriam intermediar esse conflito, na verdade estimulam a violência ao beneficiar os menos favorecidos ou condenar o sujeito sem provas suficientes.

Onde obter respostas para tais conflitos que causam uma decadência moral na sociedade e nos laços familiares, pois sabemos que a solução é produto do imaginário, portanto um sonho inquestionável, um tormento. Até um certo tempo eu perguntava a mim mesmo o porquê de muitos homens e mulheres ficarem sozinhos e rejeitarem um novo compromisso. Hoje compreendo que o causador deste estranhamento social é causado pela natureza humana, a qual direciona o comportamento e as atitudes pessoais e uma falsa liberdade de expressão que circuncida o indivíduo dando uma sensação de poder. As pessoas na verdade é que complicam o relacionamento, pois atribuem o desajuste a personalidade de ambos, mas as peças de um quebra cabeça são diferentes, mas se encaixam perfeitamente, se completam. 

Este mal não pode ser atribuído exclusivamente a modernidade, uma vez que tais desvio de comportamento vem dos primórdios, dos nossos antepassados. A primeira história de desvio de comportamento no casamento, encontramos em gênesis, quando Abraão expulsou uma de suas escravas após ter engravidado a mesma. “E Agar deu à luz um filho a Abrão; e Abrão chamou o nome do seu filho que Agar tivera, Ismael”. Gênesis 16:15. As consequências causadas por este acontecimento, tem percorrido os séculos até nossos dias. “E ele será homem feroz, e a sua mão será contra todos, e a mão de todos contra ele; e habitará diante da face de todos os seus irmãos”.

No livro de Jó, vemos a esposa desejando a morte do marido. (Jó 2.9). Isaque e Rebeca foram impedidos de formalizarem o casamento. Betuel o pai de Rebeca interferiu no casamento e escravizou o Isaque por vários anos. (Gênesis 54.61). Vemos que os conflitos estão presentes no dia a dia do casal e para piorar tanto o relacionamento surge os pais e os familiares com interferências em forma de alto proteção de um dos cônjuges. 

O casamento é um desafio, onde os opostos que se atraem desconhecem o caminho a percorrer e as decisões que deverão tomar e neste contexto, a maturidade só vai surgir muito anos depois tentando manter o equilíbrio e conhecer o potencial do diálogo, somente após uma longa data é que o casal vai reconhecer as formalidades e os rituais que deveriam ser respeitados e os esforços que deveriam ser empregados para manter a fidelidade, o respeito e o companheirismo.

Muitos artigos há, pela internet, os quais descrevem até fórmulas mágicas para um casamento feliz, mas descrevem somente a parte perfeita do casamento, que na verdade não existe, não há na bíblia esse modelo a ser seguido, tais escritores criam fachadas textuais, afim de camuflar a verdade e iludir os fieis com casamentos de aparências, pois casamento perfeito é aquele que ainda não foi formalizado, pois ao ser consumado, as mudanças de comportamento começam aparecer, pois é neste período que as qualidades pessoais se destacam e as qualidade ou defeitos se manifestam e assim a personalidade dos indivíduos serão testadas e colocadas a prova. pregar um relacionamento perfeito é uma hipocrisia sem prescendentes.  O período de adaptação e da aceitação é um caminho espinhoso, cheio de armadilhas, preconceitos, dúvidas e nesse caminho aparece o desvio de conduta o que é inevitável, então a descrença e a insegurança se unem causando um desiquilíbrio relacional, jogando por terra toda aquela empolgação de uma felicidade permanente e concreta. a mudança de personalidade é gradual até atingir o ápice de um radicalismo imparcial.

Portanto não há casamento perfeito e se existiu algum, só podemos citar a união de Adão e Eva antes do pecado, pois antes do pecado os mesmos eram perfeitos.

Conclusão.

Os valores éticos e morais antes tidos como absolutos, imutáveis e insubstituíveis, sofreu com o surgimento da modernidade uma decadência sem precedentes, alcançando um padrão de nulidade do referencial desta moralidade, sendo desconsiderados como normas a serem observadas, sendo substituídos pela liberalidade do racionalismo do sujeito. “Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!  Ai dos que são sábios a seus próprios olhos, e prudentes diante de si mesmos! ” Isaías 5:20,21. Estamos diante de um colapso moral.
Observa-se que as normas variam de cultura para outra cultura e até de pessoas para pessoas, ou melhor uma independência da moral e da ética na sociedade do sujeito, em outras palavras a liberdade total das expressões.  Essa multiplicidade de regras é conflitantes e contraditórias e as normas ultrajadas pelo racional pervertido do indivíduo, as virtudes cristãs são desprezadas, não há fundamentos a serem observados nem regras a serem cumpridas, tudo é legal, nada é imoral. A existência do relativismo circunstancial depende de uma visão com novas perspectiva e livres dos preconceitos preestabelecidos como universais pois não são tidos como absolutos.

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
                                                                                                                                "Rui Barbosa"


 A teoria é complexa e seus métodos críticos, onde suas abordagens são sistematizadas no intuito de buscar a compreensão da realidade do sujeito em seu tão fragmentado saber e seus equívocos pedagógicos, surgindo daí uma disjunção cognoscitiva e fragmentada na geração desse saber. O indivíduo busca fundamentar a subjetividade moral no plano mundano, entendido como um organismo complexo do racional com princípios de exclusão e inclusão, sendo o primeiro antagônico e responsável pela identidade do mesmo, já o segundo, entende-se como egocentrismo ou um egoísmo com atitudes e ações eticamente condenáveis, tais indivíduos oscilam entre o caráter vital egocêntrico com uma prática altruísta. O escritor Morin, afirma que o ato ético parte de uma ordem superior á realidade objetiva, tendo como sentido um ato de religação do sujeito com a sociedade em si, afim de revitalizar e regenerar as relações. De acordo com Morin a auto ética inicia-se com o ser humano na pré-história do espirito, e entendida como ascendência religiosa, onde uma barbárie interior e própria do sujeito exige um esforço para ser vencida por meio do auto reconhecimento, evitando assim as estratégias do espirito humano em justificar seus atos questionáveis e compreender as razões subjetivas e a complexidade de tais conflitos, tornando assim possível o perdão como um poder ou força redentora e regeneradora do sujeito. O escritor Morin, defende a “dialógica” como os impulsos, valores e posturas concernentes a consciência do sujeito.


Referências Bibliográficas:

Fonte Pesquisada: https://pt.wikiquote.org/wiki/Ruy_Barbosa. 
- "Requerimento de informações sobre o caso do Satélite". Discurso no Senado (17/12/1914), Obras completas, Vol. 41, citado em "Sobre cultura e mídia" - página 99, Por Roberto Murcia Moura, publicado por Irmãos Vitale, 2001, ISBN 8574071552, 9788574071558, 204 páginas.

Fonte Pesquisada: Morin E. O Método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2005. 222 p.

Fonte Pesquisada: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000200031.

Fonte pesquisada:https://www.bibliaonline.com.br/

Fonte pesquisada: http://bibliaportugues.com/

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

POSTAGEM DO BLOG